Jogos de Tiro

Matar para sobreviver

Desde Doom, um marco fincado em 1993, os jogos de tiro rapidamente
se tornaram uma mania. Nesse clássico, com uma arma na mão e poucas
ideias na cabeça, o atirador deveria seguir através de corredores
simplesmente detonando os demônios, zumbis e monstrengos mutantes
que surgissem à sua frente (todos representados por gráficos com
baixíssima definição). Contudo, ao longo dos anos, após incontáveis
imitações e invenções, o gênero inaugurado por Doom se transformou
em um dos mais adorados pelos gamers, oferecendo desafios muito mais
elaborados e design gráfico de fazer cair o queixo. Diante dessa nova
geração, é possível destacar Resident Evil, claramente inspirado nos
clássicos dos anos noventa, o qual deu outro sentido à luta pela
sobrevivência em cenários apocalípticos.




Raciocinar para vencer

Resident Evil, como outros, é um jogo que exige mais do que atenção e
boa mira. Repleto de desafios, verdadeiros quebra-cabeças, em muitos
momentos demanda exercícios de paciência e lógica. Dono de histórias
que se desenrolam, é fruto da safra mais moderna de games, que faz do
jogo uma espécie de filme interativo. Por sua vez, entre os jogos de tiro
em primeira pessoa, Call of Duty e Battlefield, franquias já clássicas,estão entre as mais queridas. Em cenários desafiantes, repletos de
labirintos e com visual realista, exigem do jogador concentração e
habilidade ímpares, ainda mais quando se joga em rede, recurso recente
que confronta o gamer com uma inteligência nada artificial.

PS também é jogo educativo

Os jogos eletrônicos de tiro, ou seja, os FPS e os TPS (First ou Third
Person Shooter Games), exigem mais do que concentração e
coordenação motora. Resident Evil 6 e Max Payne 3, por exemplo,
trazendo elementos extramente realistas, demandam lógica precisa e
raciocínio rápido. Assim, para transpor fases ou campanhas, a
observação do cenário e o planejamento de estratégias são essenciais. Já
em Call of Duty e Battlefield, em jogos em rede, a comunicação e a
criação de estratégias com outros jogadores é essencial. Ao contrário do
que pensam os desavisados, a carnificina e a violência, nesse caso, vêm
apenas como tempero. Afinal, o que um verdadeiro gamer procura
nesses jogos (todos, aliás, com classificação etária disponível) é vencer
grandes desafios e ultrapassar obstáculos que parecem intransponíveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *